03/03/2015 07:05

Quantidade de visualizações: 1175

Marlenne Maria com Gilvan Melo

Um grande manifesto público de solidariedade e apoio à classe dos caminhoneiros é o que se pretende realizar na tarde desta quarta-feira (04) em Tangará da Serra. A convocação para o ato público foi decidida em reunião nesta segunda-feira (02) na sede da ACITS, com a presença também de representantes da CDL, OAB, Sindicato Rural, Sindicato dos Motoristas e Clubes de Serviço.


O presidente da ACITS, Vander Masson, explicou que o ato em apoio à classe dos caminhoneiros vem sendo solicitada por muitos em Tangará da Serra. “A ACITS, através de seus associados, e depois de muitos pedidos de várias pessoas, entidades e empresários convocou esta reunião para definir o apoio à classe dos motoristas, dos proprietários de caminhões que passam por momentos muito difíceis. Eles vem há vários dias defendendo esta bandeira, defendendo redução do preço óleo diesel e melhores condições para que possam continuar sobrevivendo, tratando de suas famílias. A sociedade tangaraense, mato-grossense e brasileira precisa apoiar os caminhoneiros, que transportam produtos para nossa mesa”.


A convocação está sendo feita para que esta 4ª-feira, com início às 15h00min, visando um manifesto pacífico e ordeiro como ressaltou Masson: “Conclamamos todas as entidades e toda a sociedade tangaraense, para que possamos somar junto com nossos motoristas, quarta-feira às 15h00min na Av. Brasil, com início na rotatória da Av. Brasil com a Av. Mauá. Não queremos baderna, queremos que a Polícia Militar nos dê apoio e cobertura para que este movimento seja pacífico e ordeiro”, disse. Ele não descarta a possibilidade de ir a Brasília para reforçar o movimento.


O presidente do Sindicato dos Caminhoneiros de Tangará da Serra Edgar Laurini participou das discussões na sede da ACITS. Ele disse que já houve conquistas com o movimento. “A gente está muito feliz de hoje a sociedade de Tangará nos apoiar neste manifesto. Acreditamos que deu certo. O que queríamos já atingimos, que era a sociedade reconhecer que o caminhoneiro para o Brasil. Lideranças sindicais estão muito contentes, principalmente nós aqui de Tangará que iniciamos este trabalho e estamos felizes de as entidades nos apoiarem neste movimento. Eu convido agricultores, taxistas e todos que usam o combustível que venham nos apoiar para mostrar que Tangará da Serra também é solidária”.


Também o presidente do Sindicato Rural de Tangará da Serra Vanderlei Reck Junior destacou o apoio dos produtores rurais aos caminhoneiros, ressaltando a importância da categoria para o país e especialmente para o bom andamento da produção rural. “Desde o começo quando a associação dos caminhoneiros iniciou o movimento, nós do Sindicato Rural estamos apoiando. Entendemos que o momento é muito delicado para o produtor rural, porque estamos em plena colheita, mas entendemos que é importante sim continuar esta manifestação dos caminhoneiros porque nós produtores compartilhamos de 90% da demanda dos caminhoneiros, que é o aumento do frete, é o custo do combustível que representa aqui na região 70% do custo do frete, é a formação de preço por parte das tradings. Então, são várias demandas que os caminhoneiros têm o apoio do setor produtivo, mas temos que entender que é preciso dar condições para que o produtor colha o produto e coloque no armazém. Uma vez lá o produto não tem problema de estragar e aí pode contar com o apoio dos produtores. Este movimento não pode parar, tem que continuar até sensibilizar as autoridades da esfera federal”.


Representantes de outras instituições também participaram das discussões. A empresária Leane Ruppel que também integra o Rotary Clube destacou: “Ouvimos reclamações de todo o Brasil e chegou o momento em que decidimos ir à prática. Todos nós brasileiros temos obrigação de agir. O resultado só vem se fizermos alguma coisa. Vemos uma luz aqui para que possamos nos unir, nesta quarta-feira às 15h00min, todos para a rua, dando apoio aos caminhoneiros porque eles são muito importantes para o Brasil”.


Da mesma forma o Presidente OAB Subseção Tangará da Serra, Dr. Josemar Carmerino, expressou o apoio ao movimento. “A posição da OAB é sempre em apoio àqueles que precisam. Os caminhoneiros há muitos anos vem carregando o Brasil nas carrocerias e não são bem pagos por isso. Hoje o autônomo está pagando para trabalhar, quando não está trabalhando simplesmente para pagar as contas. Isto vem há anos e desembocou neste grito por providências. O apoio que o Governo ofereceu neste pacote não atende os caminhoneiros. Nada mais justo que eles exijam maior apoio, uma desoneração do combustível”.