12/03/2015 14:27

Quantidade de visualizações: 941

Roberto Weber com Franchescolly Gomes

Fotos: Franchescolly Gomes / Rádio Pioneira

Representantes dos empresários, da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Superintendência de Trânsito e sociedade civil organizada se reuniram no auditório da OAB na noite desta quarta-feira (11) para discutir medidas de segurança em relação ao manifesto que está previsto para acontecer no próximo domingo (15).


O Presidente do Sindicato Rural Vanderley Reck Júnior explicou que a reunião e o planejamento visam destacar principais dificuldades e regras básicas para a realização do ato público, para que haja a garantia de segurança e tranqüilidade: “Tivemos a presença aqui de todas as autoridades que já sinalizaram e confirmaram que estarão presentes para que todos possam se manifestar de uma forma tranqüila e com toda a segurança possível”, comentou.


Em seguida, Reck Júnior pontuou que é importante distinguir as opiniões pessoais do trabalho da representação que vem sendo realizado: “Nós estamos aqui, não como entidade, mas como cidadãos. É um movimento que está acontecendo por parte de toda a população em todo o país e não nossa cidade não é diferente. A população está indignada com o momento, a situação que estamos vivendo no país”, explicou.


No mesmo sentido, estava o empresário tangaraense Vander Masson, atual presidente da ACITS, que destacou ser importante a separação, para que eventuais participantes de determinada entidade não se sintam prejudicados.


Vander avaliou que antes de representar uma entidade, ou assumir qualquer cargo de maior ou menor expressão na sociedade, todos são cidadãos, e isso nunca deve ser esquecido, e segundo ele, independente da posição que se ocupa, é importante refletir sobre o que tem se vivido nos últimos anos.


“Nós empresários precisamos defender nossas causas também, porque temos visto aumento nos impostos, no combustível, a própria corrupção. Toda a sociedade brasileira precisa, em minha opinião, demonstrar a sua indignação e esse é o momento de cada cidadão refletir, verificar o que está acontecendo no país e para quem está indignado, descontente mostrar aos governantes que eles precisam mudar a forma de administrar”, pontuou.


Vander reforçou que o manifesto é um direito do cidadão e inclui os deveres de respeito ao patrimônio alheio, sejam opiniões ou bens materiais: “Cabe a nós, no nosso direito de cidadão, convocar todos os amigos, a família, porque o movimento será pacífico e vamos demonstrar a indignação que sentimos com o que está acontecendo”, afirmou Vander.


O manifesto, em Tangará da Serra, está marcado para o próximo domingo, Dia 15 de Março, às 16 horas, no encontro das Avenidas Brasil e Mauá, no Centro da Cidade.